Transferências

Governo chinês entra em campo e veta duas grandes contratações do Guangzhou

Futebol na China é assunto para o governo, e os clubes que tratem de conviver com essa situação. O mercado de transferências de janeiro, que ameaçava marcar a volta das grandes transações, está sendo regulado à força pelo governo – que não quer grandes gastos e está preocupado com o tamanho do rombo nas contas dos times da CSL (Chinese Super League).

Por enquanto, a grande vítima da canetada oficial é o heptacampeão Guangzhou Evergrande. O clube mais rico da China teve duas contratações de impacto vetadas: o centroavante gabonês Aubameyang (Borussia Dortmund), que custaria 72 milhões de euros (R$ 280,8 milhões), e o meia belga Nainggolan (Roma), que estava comprado por 40 milhões de euros (R$ 156 milhões) e receberia 13 milhões de euros (R$ 50,7 milhões). O clube entendeu o recado e anunciou que vai trabalhar para formar seus jogadores.

O imposto de 100% sobre o valor de compras acima de 5,9 milhões de euros (R$ 23 milhões), que dobra o valor das operações, não está mais inibindo os clubes como inibiu na janela de julho, por isso o governo da China resolveu agir. A meta é tornar o futebol no país sustentável, obrigando os donos dos clubes a prestar atenção às contas ao invés de gastar a rodo por terem dinheiro de sobra.

Fonte: Chuteira FC – Carta Capital

Comentários
Topo